Artigo: Resgate da Cidade Maravilhosa, por Carlos Alberto Di Franco

11 Agosto 2017 10:57:00

Professor fala do papel do jornalismo nas coberturas sobre violência. 'Nós, jornalistas, precisamos mostrar a luz no fim do túnel'

Foto: Edu Santos/Rosane Moura Eventos

Passei o réveillon de 2010 no alto do Corcovado, aos pés do Cristo Redentor. A missa da meia noite, emocionante, foi seguida pela bênção com o santíssimo. D. Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, com o ostensório nas mãos, abençoou os quatro pontos cardeais da Cidade Maravilhosa. Lá embaixo, um balé de fogos de artifício. Um espetáculo inesquecível.

É uma tristeza, quase um sacrilégio, a violência que ensombrece esta cidade. Vive-se um clima de guerra de civil. A chegada das forças federais são um reflexo da gravidade da situação. Segurança pública não é função dos militares. Agora, qual é a alternativa a curto prazo? Os números da violência são próprios de regiões conflagradas.

Desgoverno e exclusão social estão na raiz do drama carioca. A crise do Rio não é de agora. O vírus antissocial já estava incubado nos mandatos de governos populistas. A patologia foi sendo alimentada pela corrupção, pela incompetência administrativa e pelo crescente descaso com o interesse público que, há décadas, castigam o Rio.

A exclusão social está no cerne do problema. O tráfico nas favelas ocupa, frequentemente, o vazio deixado pela inoperância do Estado. É a ele, e não aos governos omissos, corruptos e incompetentes, que os moradores recorrem nos seus momento difíceis. À semelhança de Vito Corleone, o mafioso magistralmente interpretado por Marlon Brando no filme O Poderoso Chefão, o líder do tráfico é a encarnação tupiniquim do chefão que substitui o governante. É triste, mas é assim.

Mas se a repressão ao crime é incontornável, a recuperação deve ser a grande aposta que todos nós, governo e sociedade, devemos fazer. Precisamos acreditar no lado bom das pessoas. A recuperação é possível e está ocorrendo. Nós, jornalistas, damos excessivo destaque aos picos da criminalidade, mas não registramos os bons resultados que têm sido alcançados em inúmeras entidades e organizações não-governamentais (ONGs). Discretamente e sem qualquer ajuda dos governos, heróis anônimos, inúmeros, fazem mais pela paz do que toda a burocracia do Estado.

Conheço algumas iniciativas sérias no campo da recuperação de dependentes químicos. O Horto de Deus (www.hortodedeus.org.br), por exemplo, faz um trabalho de grande alcance social. Trata-se de uma comunidade terapêutica, sem muros, sem grades e com elevado índice de recuperação. Os internos estão lá voluntariamente. As internações compulsórias, em clínicas caras e sofisticadas, frequentemente acabam na amargura da recaída. Falta o essencial: querer. Lá, depois de terem descido todos os degraus da miséria material e moral, reencontram a chispa da esperança.

Nós, jornalistas, precisamos mostrar a luz no fim do túnel. Vamos, todos, com trabalho e solidariedade, salvar a cidade do Rio de Janeiro.



SOSDesaparecidos.fw.png

 

 

logo Adjori - para o fundo escuro - transparente - MINI.fw.png

ASSOCIAÇÃO DOS JORNAIS DO INTERIOR DE SANTA CATARINA
Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901 - Centro | Florianópolis-SC | CEP: 88015-090 | (48) 3298-7979 | jornalismo@adjorisc.com.br