Greve de universidades federais completa uma semana
ANDES-SN e Adjori/SC
24/5/2012 16:52:00
Atividades seguem normalmente na UFSC. Na próxima semana, o conselho de representantes da Apufsc-Sindical se reúne para discutir a questão

A greve dos docentes ganha força a cada dia e já são 44 instituições federais de ensino paradas, que são base de 48 seções sindicais filiadas ao ANDES-SN. Cerca de 1 milhão de estudantes estão sendo afetados pela paralisação dos professores desde o dia 17 deste mês. Em Santa Catarina, as aulas seguem normalmente na UFSC, e não há indicativo de greve ou paralisações. Na próxima quinta-feira (31), o conselho de representantes de Sindicatos da Apufsc-Sindical (Associação dos Professores das Universidades Federais de Santa Catarina) faz uma reunião para discutir a possibilidade de convocar uma assembléia geral para então, na assembleia, discutir a possibilidade de aderir à greve.


Na tarde desta terça-feira, o ministro da Educação, Aloizio Mercante, fez um apelo para que os professores voltassem para sala de aula. “A coletiva do ministro mostra que ele reconhece a força da nossa greve”, argumentou a presidente do ANDES-SN, Marina Barbosa. Na entrevista que deu à imprensa, que foi ao ar ao vivo pelo canal NBR, Mercadante afirmou que os professores foram precipitados, já que termina em agosto o prazo legal para previsões no orçamento de 2013.


Em resposta ao ministro, Marina Barbosa lembrou que o processo de negociação perdura desde agosto de 2010 e que a proposta apresentada pelo governo em dezembro daquele ano é a mesma do dia 15 de maio passado, quando houve a última reunião do GT carreira, criado para negociar o plano de carreira.


“O governo, na verdade, finge que negocia. Descumpriu acordo assinado com as entidades que previa o trabalho conclusivo sobre a reestruturação da carreira em 31 de março. Escuta os nossos argumentos, diz que eles enriquecem o debate, mas, ao final, mantém a mesma posição, contrariando, às vezes, todas as outras partes representadas no grupo de trabalho”, contra-argumentou Marina.


“Ao contrário do que disse o ministro, o movimento dos professores não foi precipitado. Estamos presentes em todos os espaços de negociação desde 2010, apresentando propostas e cobrando respostas do governo. Até mesmo as correções ajustadas no ano passado para vigorar em março deste ano só se tornaram realidade, com a MP 568/12, depois que a categoria deliberou, no dia 15 de maio, que entraria em greve no dia 17.”, contestou a presidente do ANDES-SN. “A categoria está indignada, tanto que a greve explodiu em todo o país”, afirmou.


Negociações


Para Marina, a fala de Mercadante, ao invés de fazer os professores voltarem para as salas de aula, vai aumentar a indignação de quem ainda não parou. “A nossa greve é justa, legítima e está sendo construída pela base. Entendemos a posição do ministro, mas quem decidirá sobre os rumos da greve será a categoria e ela está insatisfeita não só com as protelações constantes em relação à aprovação do plano de cargos e salários, como com a falta de infraestrutura nas nossas universidades federais”, adiantou.


A presidente do Sindicato Nacional disse, ainda, esperar que o governo, na reunião do GT carreira da próxima segunda-feira (28), receba o ANDES-SN com disposição efetiva de negociar. “Mesmo em greve, fomos recebidos por todos os governos, dos militares a Fernando Henrique Cardoso. Esperamos da presidente Dilma a mesma atitude democrática”, argumentou.
 

Ver comentários
Escrever comentários
Adjori  Brasil
Endereço
Rua Adolfo Melo, 38 - Sala 901
Centro - Florianópolis -SC
CEP: 88.015-090

(48) 3298-7979
Logo Rodapé
Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina