ECONOMIA

Crise leva brasileiro a buscar renda em negócios caseiros

Alternativas para geração de renda necessitam de pequenos investimentos em aparelhamento

Os brasileiros já são conhecidos por serem criativos, e na hora da crise essa qualidade precisa “mais do que nunca” ser exercitada. Com o alto índice de desemprego em 2015 e a dificuldade de recolocação no mercado de trabalho, muitas pessoas estão procurando uma maneira de buscar rendimento ainda que de forma informal.

Entre as alternativas mais procuradas estão a venda de produtos “porta a porta” ou para grupos de amigos, como no caso de cosméticos, iogurtes, roupas, sapatos, entre outros, representando uma marca ou catálogo. Mas, há também quem coloca em prática as suas habilidades culinárias, seus dotes com corte e costura, pintura, artesanato, organização de festas, jardinagem, concertos, marcenaria, entre outros.

Os que gostam de cozinhar estão fazendo marmitas, bolos, doces, sorvetes, entre tantas outras “guloseimas” para vender. Quem tem aptidão para o artesanato pode focar em algumas áreas, como bijuterias, adereços para decoração de casa ou festas, objetos para presentear, customização de roupas com pinturas ou bordados; e até mesmo atender em casa, como costureiros, manicures, cabelereiros, estética, massagens, entre outros serviços, desde que também tenham alguma formação para isso.

Mesmo neste afã de “sobrevivência financeira” é necessário planejamento e investimento, pois não é hora de “jogar dinheiro fora”. Alguns estão usando para o início destas atividades o valor de rescisão de contratos trabalhistas e até mesmo o salário-desemprego. “Dinheiro suado” que não pode ser desperdiçado de qualquer maneira.

Se a ideia é fazer doces em casa para vender, há de se pensar em panelas, talheres específicos, batedeira, formas, forno, geladeira, embalagens, prateleiras, ingredientes, entre tantas outras coisas. O mesmo acontece com artesanato, que necessita de ferramentas especiais, mesa de trabalho, tinta, tecido, cordas, colas, agulhas, metais, entre tantas outras coisas. Pois mesmo reciclando material - o que está muito em moda - é necessário dar uma renovada no visual, que precisará ter cara de novo.

Para não gastar além do desejado será necessário pesquisar valores das ferramentas e dos produtos, tomando cuidado para não comprar no impulso. Hoje, através da internet, dá para buscar preços melhores ou pesquisar em redes sociais, como no Dica de Preço (www.dicadepreco.com.br), que tem uma “Comunidade” feita apenas para trocar informações quanto a valores de produtos com outros participantes da rede, e tem também um “Comparador”, onde rapidamente - com dois cliques - o consumidor terá uma pesquisa com as melhores ofertas em distintos comércios do segmento.

Segundo Leonídio de Oliveira Filho, empresário e criador do Dica de Preço, esse tipo de pesquisa para negócios caseiros, tem crescido. “As pessoas estão mais cuidadosas e não estão comprando sem antes terem a certeza de que estão adquirindo com melhor preço. A crise não é boa, mas com certeza nos ensina a consumir de forma correta, sem exageros e sem impulso”, finaliza. 



HOTEL JATAGUÇA - café outubro.jpg
SOSDesaparecidos.fw.png
NAMAI_PrimAniv_Jornal_11x16cm.jpg
UNOESC.jpg
2-Folha da Manhã.jpg
logo - rodape.JPG

Rua Francisco Lindner 274 Ed. RM - 2º andar - Sala 03, centro/ Joaçaba - SC - Brasil / Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Empresa Jornalística Folha da Manhã