Adjori/SC
Jogos simbólicos misturam aprendizado com brincadeiras
Folha do Oeste
São Miguel do Oeste
13/8/2012 17:29:00
$alttext
Brincar pode ser um importante exercício para desenvolver o intelecto

Além de uma simples forma de entretenimento e de socialização, alguns estudiosos consideram as brincadeiras da infância como comportamentos que ajudam as crianças a compreenderem a si mesmas e ao mundo que as rodeia. Para muitos pesquisadores da educação infantil, o brincar também está relacionado a aprender e desenvolver o lado intelectual e cultural dos seres humanos.

Nas escolas, os educadores trabalham o potencial pedagógico das brincadeiras infantis através dos chamados “jogos simbólicos”, atividades lúdicas e divertidas que são usadas como forma de ensinar. “Na educação infantil, o raciocínio lógico ainda não é suficiente para explicar com coerência certas coisas às crianças, assim o faz-de-conta e a imitação fazem com que elas entendam a realidade”, explica a pedagoga Vânia Gruber. Alguns exemplos de jogos simbólicos são as brincadeiras de viagem ao espaço, à selva, ao circo, de banda musical, ou ainda o pega-pega imitando bichos, personagens folclóricos. “Com o jogo simbólico, a criança exercita não só sua capacidade de pensar como também a de representar simbolicamente suas ações e essa passa a ser uma aprendizagem muito significativa para seu desenvolvimento cognitivo, social, afetivo bem como para seu próprio equilíbrio emocional”, completa.

O papel dos professores, esclarece Vânia, é atuar como estimulador, propondo brincadeiras educativas tendo um objetivo a ser desenvolvido e como mediador nas brincadeiras livres, participando, intervindo, ajudando a superar desafios, conflitos, estimulando e orientando em seu desenvolvimento. Os pais da criança também podem desenvolver os jogos simbólicos junto com os filhos nos primeiros meses após o nascimento. “Estar junto, participar, envolver-se na brincadeira da criança além de gerar um momento prazeroso em família vai aproximar pais e filhos. Brincar de cavalinho nas costas do pai, fazer comidinha com a mãe, ninar a boneca, nesses momentos a família percebe cada progresso no desenvolvimento do filho”, diz.

Conforme a pedagoga, na medida em que a criança amadurece acontece à diminuição da atividade centrada em si própria e começa a aparecer o raciocínio lógico, que a ajuda a dar explicações mais concretas, tornando o jogo simbólico menos atrativo.


“Adultos mais criativos”

“Na brincadeira as crianças manifestam certas habilidades que não seriam esperadas para sua idade”, analisa a psicopedagoga Maria do Socorro Marques (CRP: 12/10196). “A importância do brincar tem sido evidenciada também em pesquisas recentes, as quais levam a supor que pode aumentar certos tipos de aprendizagens, em particular aqueles que requerem processos cognitivos mais elaborados”, continua. Para a especialista, essas atividades desenvolvem características para uma vida adulta mais saudável, ou seja, ajudam a formar adultos mais criativos.

Segundo Maria, os brinquedos estimulam as crianças a desenvolverem seu potencial criativo. E não apenas os brinquedos industrializados, mas também aqueles construídos de forma artesanal. “Os pais podem utilizar recursos encontrados dentro de casa, que podem ser adaptados e utilizados como brinquedos. Exemplos disso são as garrafas PET, que podem ser transformadas em muitos objetos e servem de grande estímulo para as crianças”, ressalta.

Ver comentários
Escrever comentários
Edição Digital
Você acha necessário a implantação de uma delegacia de combate a pirataria?
Sim
Não
ok
Museu