Palco de mais uma tragédia

11 Novembro 2017 05:04:37

Exatamente às 14h51 de terça-feira, 7, as câmeras de vídeomonitoramento da cidade de Seara registraram o encontro entre um caminhão da empresa Concrebal e uma S10 da empresa Gusatto Terraplanagens no início da rua Três de Abril.

FS
1 ACIDENTE TRES DE ABRIL CAPA.jpg
Foto aérea da Edu Vídeo Produções mostra o cenário devastado depois de mais um acidente na Três de Abril

Segundos depois, as filmagens foram interrompidas devido à colisão que arrancou fios de alta tensão pela violência do impacto entre os veículos, que quebraram uma mureta e despencaram por cerca de 50 metros em um barranco.
Foi mais um acidente para engrossar as estatísticas de registros trágicos, com mais duas vidas ceifadas. Uma das vítimas é o motorista do caminhão placas MCE-9662, de Xanxerê, Claudir Moraes, 31 anos, que deixou a esposa e dois filhos. Segundo os colegas de trabalho, ele estava na função há pouco mais de dois meses. Claudir ficou preso nas ferragens da cabine, que ficou dependurada no barranco após parar na vegetação que encontrou pelo caminho. Conforme o laudo do IGP/IML, a causa da morte foi politraumatismo. A vítima foi sepultada no Cemitério Municipal de Xanxerê, às 16h de quarta-feira, 8. O cunhado Joel Narciso, também colega de trabalho acompanhou o resgate. “Conversei com ele 10 minutos antes do acidente para informar o local onde estávamos aguardando o material. Ele era motorista experiente e conhecia todo esse trecho”, contou.
 A pedestre Yelianni Cabrera Morales, 27 anos, transitava pela calçada na rua Três de Abril no momento do acidente. Ela foi atropelada e teve morte instantânea por politraumatismo, segundo o IGP/IML de Concórdia. Yelianni era natural de Florencia, província de Ciego de Avila, em Cuba, e estava no Brasil desde o final de setembro. Buscou refúgio no país após a família ser atingida por furacão na ilha cubana. Não tinha filhos, mas deixou a mãe e os avós. Motivada pelo desejo de uma vida melhor, decidiu conhecer o Brasil e, caso se adaptasse, ficaria no país. Em Seara teve contato com a também cubana, a médica Yunalki Gomes Martinez, 37 anos. Entre 2013 e 2016, Yunalki compôs o corpo clínico de médicos cubanos que foram enviados ao Brasil pelo programa Mais Médicos e prestou serviços em Seara. Na terça-feira, foi parar no Hospital São Roque como vítima do atropelamento.
Atropelamento
Com o impacto do acidente, Yunalki Martinez foi arremessada para o outro lado da rua e sofreu escoriações. Mas a sorte que não acompanhava Yelianni estava ao lado de Yunalki. Ela teve alta no mesmo dia do acidente e se recupera bem.

Motorista da S10 se salva milagrosamente
Naqueles poucos segundos, o motorista da S10, Maildo Gusatto, 51 anos, despencou dentro da caminhonete placas OKF-3108, de Seara, caindo aos fundos da Casa de Carnes Dalle Laste. Ele transportava combustível. As primeiras impressões dos trabalhadores das empresas nas proximidades foram de que pudesse haver uma explosão. Apesar do impacto e da destruição, Gusatto deixou a caminhonete sozinho,  foi amparado por morados próximos que logo chegaram ao local e socorrido pelo Corpo de Bombeiros. No Hospital São Roque teve o primeiro atendimento e na mesma noite do acidente foi transferido para o Hospital São Francisco de Concórdia com três costelas e duas vértebras fraturadas. Uma lesão em um dos rins ainda não permitiu que o empresário tivesse alta, mas seu quadro é estável.

Resgate exigiu paciência e cuidado
O atendimento ao acidente registrado na última terça-feira na rua Três de Abril envolveu Corpo de Bombeiros, SAMU, Polícia Civil, IGP e Polícia Militar. Os transtornos foram inúmeros, desde o corte no fornecimento de energia e telefonia até a necessidade de reparo no local do acidente, que foi interditado pela prefeitura.
O resgate das vítimas fatais foi um trabalho delicado. Conforme o comandante da 3ª CIA/6ºBBM de Seara, tenente Ismael Piva, foram necessárias noções de salvamento em altura e resgate veicular para retirada do corpo do motorista da cabine. “Estabilizamos a cabine entre a vegetação e o barranco. Felizmente o pessoal é bem treinado e conseguiu fazer o serviço com bastante agilidade”, analisou. Atuaram na ocorrência cerca de 10 bombeiros, entre Militares e Comunitários. Um caminhão da empresa Energiza, que presta serviço de reparos na iluminação pública, foi cedido para auxiliar na remoção do corpo, com auxílio do braço móvel que transportou um bombeiro. Já no resgate da pedestre foi necessária uma escavação, pois ela caiu junto com o caminhão e ficou com parte do corpo presa em um rodado.
Concluído o trabalho, teve início a remoção dos veículos, nos fundos da Casa de Carnes Dalle Laste. A S10 caiu em posição que facilitou a retirada. Já o caminhão desceu de bico. Entre terça e quarta-feiras foram cerca de 10 horas de serviço. Foi necessário destruir o depósito da empresa para acessar o caminhão com máquinas. Os dois guinchos da Guinchos Carlesso contaram com suporte de outro equipamento da Sgarbossa Materiais de Construção para efetivar o serviço, além de uma retroescavadeira da prefeitura de Seara. “Foi um serviço complicado. O caminhão ficou cravado no chão”. relatou o empresário Marcos Carlesso.

Corpo à espera do translado para Cuba
O corpo da cubana Yelianni Cabrera Morales segue no Instituto Médico Legal de Concórdia, aguardando documentação para liberação. Devido à ausência de familiares no Brasil, os trâmites burocráticos são desafiadores para os amigos, como a searaense Fabíula Pereira, que tem suporte de advogados para tratar da situação. A bolsa com documentos da jovem atropelada ainda não foi localizada. Apenas cópias que estavam no SINE foram entregues ao IGP para identificação.
Agora, a mobilização é para conseguir a liberação do corpo. Posteriormente ele será enviado a São Paulo, onde uma empresa especializada fará os demais procedimentos para o translado até Cuba. Para o serviço são necessários R$ 18,5 mil. “Não temos outra saída a não ser contar com apoio da comunidade. Estamos arrecadando doações em dinheiro para fazer o pagamento desse montante. E peço ajuda a todos que possam nos auxiliar”, apela. Uma conta poupança foi aberta para a finalidade no Sicoob/Crediauc. Doações espontâneas podem ser depositadas na conta poupança 625148835, Agência 0001, Banco 756 – em nome de Fabíula Pereira.
O inquérito que irá apurar a autoria e materialidade da ocorrência está sob responsabilidade da Polícia Civil de Seara. O delegado Thiago de Oliveira, informou que esgotará todas as linhas de investigação para esclarecer o caso. Além das testemunhas, a polícia ouvirá as vítimas que sobreviveram. O prazo para conclusão do inquérito é de até 30 dias. Os veículos passaram por perícia. O laudo deve sair na semana que vem.

Trecho tem histórico de tragédias
Palco de tragédias há mais de duas décadas, a Três de Abril motivou a construção de um contorno viário para desviar o trânsito pesado do centro da cidade. As obras iniciaram em 2015 e deveriam estar concluídas, mas constantes atrasos comprometeram o andamento dos trabalhos, que só devem ser encerrados no fim de 2018.
Em dezembro de 2011 o jornal Folhasete fez ampla reportagem sobre o assunto para chamar a atenção das autoridades. Intitulado Dossiê Três de Abril, o material foi decisivo para que o Estado decidisse construir o contorno, uma obra que, em valores atualizados, se aproxima dos R$ 40 milhões. Levantamento feito pelo Folhasete mostra que desde 1996 foram quase 40 acidentes no local, com pelo menos 12 mortes registradas.  

 

Imagens

SOSDesaparecidos.fw.png
891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete