DENGUE - Número de casos cresce

Mesmo com as baixas temperaturas, Seara segue registrando novos focos do mosquito. Agora são oito bairros infestados.

A situação da dengue em Seara por enquanto está mais controlada. As temperaturas mais baixas por conta do Outono e do Inverno ajudam no enfrentamento ao problema, mas a proliferação do mosquito Aedes aegypti continua, mesmo que em escala mais reduzida.
De acordo com a coordenadora do Programa de Combate ao Aedes aegypti, Fabíula Pereira, o primeiro ciclo dos trabalhos está na reta final. O horário das visitas dos agentes foi reduzido por conta da pandemia. Segundo Fabíula, algumas pessoas têm medo ou receio de deixar os agentes vistoriarem os locais. A coordenadora destaca que não é mais preciso entrar nas residências ou apartamentos para a checagem, que agora é realizada somente na parte externa das moradias. As visitas são realizadas a cada dois ou três meses.
São dois pontos estratégicos de focos na cidade - o Cemitério Municipal e o comércio na cidade. Ao todo até o momento são 159 focos em oito bairros infectados. Em relação ao ano passado, quando houve cerca de 170 focos do mosquito o ano todo, em menos de cinco meses deste ano o número quase alcança a marca de 2019. "Houve um aumento bem considerável, pois de três bairros com registro no ano passado, em 2020 já são oito bairros com focos", enfatiza Fabíula Pereira. Ela lembra também que ainda há muitos bairros a serem vistoriados.
O Outono deste ano até o momento está com temperaturas um pouco mais baixas. Mesmo com esse friozinho, o mosquito pode se proliferar. Se em climas mais quentes leva em média sete dias para a larva se transformar em mosquito, no frio esse período é de 10 a 15 dias. "Claro que há diminuição nos casos nesta época do ano, mas o trabalho seguirá normalmente", salienta. A orientação é para que as pessoas façam a checagem semanal em suas casas ou apartamentos para identificar possíveis criadouros, como vasos de flores, vasilhas para animais e demais objetos que possam se tornar focos do mosquito. Também é necessário ter cuidado na hora do descarte de lixo e de utensílios, "pois se estes materiais não forem corretamente descartados podem causar o aparecimento de novos focos".

Nenhum caso autóctone

A Vigilância Epidemiológica informa que não há nenhum caso autóctone confirmado ou suspeito de dengue, que é quando o vírus é contraído no próprio município. Há pouco tempo houve um caso importado, mas o paciente já está recuperado.

891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete