Drama da saúde pode aumentar

Pelo menos 55 profissionais estão ou foram afastados por suspeita ou confirmação de Covid-19.

Médico Elzio Putzel (D), com as colegas de trabalho antes do afastamento por Covid-19

Das mais de 700 pessoas confirmadas com o novo coronavírus na região da Amauc, 55 são profissionais da saúde, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e agentes de saúde. São profissionais que estão em contato direto com pacientes e trabalham em prol do tratamento e recuperação de todos dos infectados.
O ônus e o bônus da profissão. Enquanto salvam vidas, inevitavelmente também estão expostos a contrair o vírus, por mais que utilizem todos os equipamentos de proteção.
O município de Concórdia registra o maior número de profissionais da saúde acometidos pela Covid-19. São 42 no total. Por ser a principal cidade da região, o polo regional da saúde e ter o hospital referência para tratamento da doença, seria inevitável que esses casos fossem registrados. Ipumirim tem seis profissionais testados positivos, seguido por Arabutã, com três, Itá (dois) e Seara e Irani, com um profissional afastado em cada município. Muitos desses trabalhadores já estão recuperados, mas outros ainda estão afastados e em tratamento. Uma médica de Itá chegou a ser internada na CTI do Hospital São Francisco, mas está se recuperando bem. Em Nova Estrela, o posto de saúde foi fechado devido à contaminação de funcionários.
O clínico geral Elzio Luiz Putzel atende em hospitais de Concórdia, Chapecó, Seara e Itá. Ele é o profissional de Seara que testou positivo para o coronavírus e após isolamento domiciliar, está recuperado. Em entrevista por telefone ao Folhasete, disse que os sinais apareceram de forma sútil e aos poucos ficaram mais evidentes. "Tive cansaço, dor no corpo e dor de cabeça, de intensidade leve a moderada. Assim que percebi que os sintomas estavam mais evidentes, realizei o exame aqui no município de Seara, que confirmou a contaminação pelo coronavírus. A partir de então me afastei do trabalho e de todos os locais onde mantinha vínculo". O médico conta que fez exames laboratoriais e de imagem, que não mostraram complicações da doença. Ontem o médico recebeu alta e foi liberado da quarentena. A partir de agora já pode retomar os trabalhos na linha de frente.   
Elzio Luiz Putzel também estava atendendo no Centro de Triagem 2 de Seara, localizado no Centro Comunitário. Ele comenta que sempre tomou todos os cuidados, inclusive com a utilização correta dos equipamentos de proteção individual (EPIs). "Apesar de saber que estava exposto na linha de frente e por atender inúmeros pacientes com a doença desde o início da pandemia, jamais imaginei que contrairia. E isso serve de lição, porque todos nós estamos expostos, alguns em maior e outros em menor grau. Todo cuidado ainda é pouco".

Hospitais

Sobre a estrutura hospitalar da região, o clínico geral Elzio Luiz Putzel diz que todos os hospitais estão bem preparados, com equipamentos e profissionais qualificados. "No entanto, há necessidade de consciência da população de que a Covid-19 é uma doença extremamente contagiosa. As pessoas precisam tomar precauções para que o sistema de saúde não fique saturado no curto prazo. A grande maioria dos casos é assintomático ou pouco sintomáticos, mas uma parte poderá evoluir para complicações graves, indo até o óbito", concluiu.

891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete