Escuta Especializada

Protocolo envolve vários setores da administração pública e sociedade civil de Seara.

Iniciativa garante um suporte a mais nos casos de violência e exploração infanto-juvenil

Em conformidade com a Lei Federal 13.431/17, o município de Seara elaborou o Protocolo de Atendimento à Crianças e Adolescentes Vítimas ou Testemunhas de Violência. Trata-se de um documento com diretrizes, orientações e protocolos para melhor atender as crianças e adolescentes em situação de violência.
De acordo com a presidente do Conselho Municipal da Criança e Adolescente de Seara, Marilei Wronski, o Protocolo levou cerca de um ano para ser construído e contou com a contribuição da doutora em Serviço Social Iraci de Andrade. Também já está formalizado no município o Comitê de Gestão Colegiada, que envolve profissionais de vários setores das instituições públicas e sociedade civil e que serão designados para fazer a escuta especializada.
A escuta é um procedimento de entrevista realizado pelos órgãos da rede de proteção nos campos da educação, da saúde, da assistência social, segurança pública e dos direitos humanos, com o objetivo de assegurar o acompanhamento da vítima ou da testemunha de violência, limitado o relato estritamente ao necessário para o cumprimento da finalidade de proteção social e de provimento de cuidados. Segundo a assistente social Adriana Balbinot, o objetivo é que em todos os lugares, como escolas, postos de saúde, unidades de serviço social e hospital, entre outros, haja um profissional capacitado para acolher e fazer os encaminhamentos.
Marilei destaca que agora só falta a regulamentação do Protocolo através de resolução municipal e o envio do documento ao Ministério Público. "As pessoas do Comitê que serão responsáveis pela escuta ou pelos encaminhamentos necessários precisam passar por uma formação continuada". Conforme Adriana, a capacitação será essencial, "porque os profissionais que vão representar a escuta ainda não conhecem os procedimentos e como abordar a criança, então é uma coisa muito delicada".

Participação

Fazem parte do Comitê de Gestão Colegiada, dois representantes do Conselho Municipal da Criança e Adolescente de Seara, Conselho Tutelar, secretarias de Assistência Social, Saúde e Educação, além de representantes das escolas estaduais.



891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete