Evento marcou as comemorações

03 Novembro 2018 05:02:31

Apresentações culturais e visitação ao Museu foram destaque na programação realizada no último sábado.

Apresentações culturais encantaram o público

O aniversário de três décadas do Museu Fritz Plaumann reuniu um pouco de tudo: reflexão, saudosismo, alegria, orgulho e, especialmente, muita emoção, com gratidão àquele que generosamente fez da sua história um presente para Seara. O município deve muito ao gênio da entomologia.
Em reconhecimento, a administração municipal, através da Casa da Cultura, realizou uma programação especial em Nova Teutônia no último sábado, dentro e nos arredores do Museu. A programação intitulada Arte no Museu reuniu bom público para assistir as apresentações culturais, aproveitar as oficinas de arte, conhecer e relembrar a vida e obra de Plaumann e mais uma vez aplaudir o legado do "caçador de borboletas".
Cada cantinho do distrito faz menção ao entomólogo. O desenvolvimento da localidade tem tudo a ver com o trabalho de Fritz Plaumann. Por isso, no canto, na dança e na poesia, na arte com biscuit e origamis, as borboletas é que deram o tom e a cor da programação. O Alegria das Borboletas, grupo de danças que preserva a tradição alemã, dançou belamente em homenagem a Plaumann. A Casa da Cultura e o projeto Cultura Mais Perto de Você também realizaram apresentações, assim como os corais e a Banda Municipal.
Nas árvores, no entorno do Museu, os monóculos dependurados continham registros fotográficos recontando a história do entomólogo. E o varal de pinturas retratou principalmente o nobre cientista. Famílias de perto e de longe participaram da comemoração, que encerrou com a visita ao acervo. As pessoas que conviveram com Fritz Plaumann não contiveram as lágrimas. Nos pronunciamentos que abriram a celebração, o tom de respeito e admiração.
O vice-prefeito Flavio Ragagnin recordou a honradez de Plaumann. Recontou os passos da negociação para que a obra ficasse em Seara, que por muito pouco não foi levada daqui. Lembrou que a construção do Museu era um sonho de Fritz Plaumann e que tudo foi feito conforme o desejo e orientação dele. "Guardo todas as cartas que Plaumann me enviava semanalmente".
A diretora do Museu e pupila do cientista, Edeltraudt Pierozan, que há mais de 40 anos trabalha para preservar a coleção, chamou a atenção dos presentes para a importância do local e da necessidade de ações para garantir vida longa ao patrimônio. "Faltam palavras para a grandeza do que ele deixou. O Museu é nosso e precisamos cuidá-lo".
O prefeito Kiko Canale também reconheceu o valoroso trabalho deixado por Plaumann. Detalhou os planos de incremento para atrair mais turistas ao local em 2019 e as melhorias que implementará na estrutura física do Museu e na antiga residência de Fritz Plaumann.
Para dona Elisabeth Freyer, de Nova Brasília, a homenagem foi merecida. "Eu pegava as borboletas para ele no tempo de escola", relatou. Assegurou que o evento foi "muito bonito". Arnildo Zuze declamou poesia de própria autoria para Plaumann. "Ele merece isso e muito mais. Trabalhei e convivi com ele. Muitos exemplos dele levo comigo. Era um homem exemplar". A preocupação de Zuze é com a conservação do legado.

Exposição

A pequeninha Yasmin Bianca Bodanese, nove aninhos, já conhecia o Museu e fez questão de participar da homenagem. "A história do Fritz Plaumann é muito bonita. Ele trabalhou muito". O artista plástico J. Afonso, de Xanxerê, premiado dentro e fora do Brasil, expôs seu trabalho e doou uma tela para o Museu em reconhecimento ao feito de Fritz Plaumann pela cultura.


SOSDesaparecidos.fw.png
891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete