Um dia no Centro de Triagem

Funcionários precisam lidar com o estresse e a agonia no atendimento a casos suspeitos.

Equipe da saúde faz higienização e desinfecção completas, além de usar os EPIs de proteção

O avanço significativo do novo coronavírus pela região fez com que a prefeitura de Seara, por meio da Secretaria da Saúde, intensificasse o atendimento para pessoas com sintomas respiratórios.     Desde o dia 4 de maio foram colocadas em funcionamento duas Centrais de Atendimento de Síndromes Gripais Covid-19.
A Central 1 está localizada no bairro Industrial, junto ao CRAS, atendendo a população dos ESFs 1, 2 e 6. A Central 2 está montada no Centro Comunitário, e atende a população dos ESFs 3, 4 e 5.
Nesta semana a reportagem do Folhasete acompanhou um período de atendimento na central de triagem do centro. Técnicas de enfermagem, enfermeiras, médico e equipe responsável pela avaliação e atendimento passam por um processo de higienização e desinfecção antes de iniciar os atendimentos. Na chegada os pacientes são acolhidos e logo passam pela triagem, onde é aferida a pressão arterial, medida a temperatura corporal e verificados os sintomas que cada pessoa apresenta. Após, os pacientes aguardam sentados em cadeiras separadas com um distanciamento de mais de dois metros entre uma e outra, delimitadas com cones e fita zebrada. Um a um os pacientes são atendidos pelo médico.
Depois do atendimento de cada pessoa, tanto o consultório médico quanto a área de triagem, incluindo mesas, cadeiras, gavetas e até canetas, além de outros utensílios usados, são desinfetados com álcool 70%. O médico Marcos Dynkoski, que atua em Seara há mais de um ano, explica que "temos um espaço adequado à prevenção tanto do paciente quanto dos profissionais da saúde. Realizamos esse atendimento. De preferência que o paciente faça o agendamento prévio junto à Secretaria da Saúde. É lógico que se chegar na hora o paciente também será atendido, mas queremos evitar o acúmulo de pessoas.

Contatos

O agendamento pode ser feito pelos telefones 3452-5369 (CRAS) para a Central 1 e 9 8400-1728 (Centro Comunitário) para a Central 2. Em caso de dúvidas a população pode ligar para o telefone 3452-2410.

Mais de 30 atendimentos por dia nos espaços de triagem

O médico Marcos Dynkoski já atendeu vários pacientes com os sintomas de coronavírus e que posteriormente tiveram a confirmação da Covid. "Geralmente a doença está associada à febre e sintomas gripais. Alguns pacientes têm diarreias, mas basicamente o problema é mais respiratório mesmo, como febre, dores de garganta e de cabeça. Todos que são atendidos têm a possibilidade de serem Covid, mas não é em todos os casos que são feitos os exames".
Uma paciente atendida, que preferiu não se identificar, relatou ao Folhasete que teve cansaço nos últimos dias e tosse.  Conforme o médico, "cada caso é um caso e vamos monitorando as pessoas conforme os sintomas. Em determinados casos são coletados os exames". Segundo ele, "é uma situação diferente, porque não tínhamos muita informação no começo. Muita gente achava que era uma gripezinha, mas depois fomos vendo que é suscetível a todos e temos que nos cuidar, cada um fazendo a sua parte para a gente sair dessa".
Conforme a gerente de Saúde de Seara, Luciana Maier Gagiola, entre 12 e 15 profissionais trabalham nas centrais. "Por dia são atendidos entre 35 a 40 pacientes, suprindo a demanda. Reforçamos que estes espaços são para maior segurança e agilidade na resolutividade dos casos de síndromes gripais". O horário de funcionamento é das 7h às 17h, sem fechar ao meio-dia. Nesta semana, em função do afastamento de um médico que contraiu o novo coronavírus, horário foi das 9h às 15h.

891072570.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal FolhaSete