Bandeira do Divino segue sua caminhada de fé

Casal imperial, Oscar e Ivanete, estão visitando devotos nas cidades de Porto Belo, Brusque, Itajaí, Navegantes, Penha e em Balneário Piçarras; cerca de dois mil casais devem formar a corte do Divino

FELIPE BIEGING, JORNALISTA
Visita Bandeira - Maria Donatila Batista11.jpg
Foto: Maria Donatila Batista
“São dois mil convites, quatro mil pessoas”,

Oscar Francisco Pedroso e Ivanete Vieira Pedroso, imperador e imperatriz da 183ª Festa do Divino Espírito Santo de Penha, caminham para o fim das visitas com a vermelha bandeira do evento. Cerca de dois mil casais de seis municípios da região estão sendo convocados pelo casal para manterem a chama da fé divina acesa durante os dias 30 de maio a 10 de junho. Fé essa, que para Tampa – como é conhecido – lhe mantém firme em cada passo rumo ao altar da igreja Nossa Senhora da Penha, quando no dia 9 de junho será oficialmente coroado.

Empregados – nome dado aos membros da corte que levaram as bandeiras e velas da festa – estão sendo chamados nas cidades de Porto Belo, Brusque, Itajaí, Navegantes, Penha e em Balneário Piçarras. Em cada visita, um sentimento especial e único. “O sentimento é de muita gratidão. Trabalhei por 20 anos como empregado da festa, por 10 anos participei dos sorteios e agora tenho a missão de realizar a 183ª edição”, narrou Tampa, em uma entrevista concedida na tarde de quinta-feira, 10.

“São dois mil convites, quatro mil pessoas”, complementou o imperador, denotando clara dedicação em levar a fé do Divino através de sua bandeira – mesmo diante de sua delicada situação de saúde. Após uma década de espera até ser sorteado no ano passado, Tampa entoou subliminarmente sua paixão pela sua Piçarras. “Depois de 19 anos, Balneário Piçarras volta a ter um imperador em uma das principais Festas do Divino Espírito Santo do Brasil. O último havia sido o ‘Miro do Cartório’”, resgatou.

Informações alusivas aos horários das novenas, atrações do festejo e precisão das datas ficaram em segundo plano durante a entrevista. A fé ganhou contornos mais intensos na fala de Tampa, homem público e com dom natural do discurso. A voz mais suave chega a causar estranheza àqueles que o viram com o microfone em mãos. Mas, o conteúdo da oratória compensa. “Eu me enrolei na Bandeira do Divino e pedi forças para conseguir realizar essa festa. Foi em um momento em que eu estava muito debilitado, muito fraco”, lembrou.

Os dizeres de Tampa podem soar para muitos como mais um discurso de católico fervoroso. Mas, para os devotos do Divino Espírito Santo faz todo sentido e ganha tons de naturalidade. “Foi a graça do Divino Espírito Santo que me fortaleceu para conseguir organizar a festa”, enriqueceu o imperador, como que querendo o atendimento de um último pedido. “Estou nas mãos dele (Deus). Depois da festa, estou pronto”.

“Depois de 40 anos não sou mais um paraquedista”

Tampa sempre declarou publicamente seu amor à Balneário Piçarras, cidade pela qual pouco chamou pelo nome alterado por um plebiscito em 2005. Natural de Capinzal, se mudou para Piçarras em 1979 e nunca mais saiu da cidade que ele viu crescer. As quatro décadas no litoral e uma atuação direta no comércio e na política nunca lhe tiraram do peito um sentimento de forasteiro. Até ano passado.

“No ano passado a vida me reservou duas surpresas: ser sorteado como imperador da festa e se receber o Título de Cidadão Honorário de Balneário Piçarras”, recordou. Na ocasião, por intermédio de uma indicação do vereador Antônio João Pera (MDB), o parlamento piçarrense aprovou a condecoração à Tampa. “Depois de 40 anos não sou mais um paraquedista. Sou um cidadão da terra, um piçarrano”, finalizou.

A honraria lhe foi concedida por sua trajetória no comércio e por sua vida política. Tampa entrou no partido do MDB a convite de Carlos Jaime de Andrade (Neneco), João Cardoso e João Santos Vieira “in memoriam”. Foi eleito vereador por cinco legislaturas: 1993/1996, de 2001/2004, 2005/2008, 2009 /2012 (período em que foi presidente da Câmara) e 2013 a 2016.






14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina e Jornal do Comércio