Cemitério Municipal de Balneário Piçarras segue sendo alvo de furtos

06 Agosto 2018 09:15:50

No final do ano passado, por exemplo, cerca de 70 reclamações chegaram até a Delegacia, que instaurou uma investigação; os furtos voltaram com maior intensidade entre junho e julho

Felipe Bieging, jornalista
Furtos no Cemitério (3).jpg
Foto: Felipe Bieging
O delegado Marcio Marcelino relatou que a elevação dos furtos tem um ciclo trimestral

A Polícia Civil de Balneário Piçarras confirmou que segue recebendo denúncias sobre o furto de placas e adornos de sepulturas do cemitério municipal. Um inquérito policial foi instaurado para investigar a questão, mas até o momento não há prisões ou suspeitos de praticarem os furtos. Nas redes sociais, há dezenas de reclamações e cobranças para que o local ganhe vigilância.

“Soube que alguns ladrões vândalos e infelizes criaturas roubaram a placa do meu irmão e outras também... Agora pergunto como fica?”, questionou uma moradora. O delegado Marcio Marcelino relatou que a elevação dos furtos tem um ciclo trimestral, muito provavelmente pela própria reposição dos materiais furtados. “Não há uma vigilância ou mesmo uma câmera no local”, afirmou o delegado.

“Cadê a segurança do cemitério municipal de Piçarras? Alguém pode me dizer? Faz três meses que fizemos a placa do túmulo de meu pai e meu irmão e foi um delinquente sem respeito ao ser humano que não deve ter família e roubou a placa”, lamentou outra família vítima. No final do ano passado, por exemplo, cerca de 70 reclamações chegaram até a Delegacia.

Os furtos voltaram com maior intensidade entre junho e julho, e a Prefeitura foi cobrada. “Vamos dar mais atenção aos nossos entes queridos, se não daqui a pouco estão desenterrando e roubando outras coisas”, cobrou outro morador, em junho, também em postagem feita no grupo virtual “SOS Piçarras”. 

A Prefeitura informou que já iniciou o processo de compra para a instalação de nova iluminação para o Cemitério Municipal, junto da abertura do processo licitatório para o monitoramento 24 horas do local.

Em março deste ano, mais de meia tonelada de materiais roubados de cemitério da região foram encontrados em Barra Velha. O material estava escondido em dez sacos em um terreno na rua Guarino Oliveira Franco. Um vigia localizou e acionou a Polícia Militar, que revelou crucifixos, letreiros, imagens, símbolos religiosos, placas, objetos em metal e até fotos de falecidos.

Segundo o delegado, o ato criminoso é enquadrado como crime de furto é passível de pena de um a quatro anos de prisão. A compra destes materiais se enquadra como recepção, com pena idêntica.




14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina