Laudos da CASAN apontam excesso de ferro na água captada

27 Novembro 2018 08:44:26

“A CASAN está atenta às alterações do manancial mas reitera que a potabilidade da água distribuída em nada foi alterada”, finalizou a empresa, em nota oficial, voltada à Balneário Piçarras

46508168_1909051119192707_1884903563864309760_n.jpg
Foto: Facebook
"Acreditamos que a alteração no manancial deva-se a algum produto utilizado por propriedades da região ou descarte irregular de efluentes"

A CASAN informou que está levando à Vigilância Sanitária de Balneário Piçarras e à Defesa Civil laudos que mostram o aumento da concentração de ferro na água do Rio Piçarras, manancial que abastece a cidade. Tal fato estaria gerando uma alteração na coloração da água distribuída na cidade – fato que gerou grande descontentamento social na última semana.

"Acreditamos que a alteração no manancial deva-se a algum produto utilizado por propriedades da região ou descarte irregular de efluentes", diz o chefe da Agência da CASAN em Piçarras, Lino José Netto. O trajeto do rio é acompanhado por inúmeras plantações de arroz e outras culturas.

Medições da Companhia realizadas para entender alterações na coloração da água bruta, mostraram que a concentração máxima permitida de Ferro (0,3 mg/L) segundo a Resolução CONAMA 357 foi ultrapassada, alcançando valores próximos a 10mg/L, confirmou a CASAN.

De acordo com a estatal, “a alta concentração de ferro exige mudanças bruscas no processo de tratamento, pois em contato com o cloro, por exemplo, a água fica com coloração amarelada.”.  O fato tem exigindo dos técnicos da empresa constantes descargas de rede para eliminar a água mais escurecida.

“A CASAN está atenta às alterações do manancial mas reitera que a potabilidade da água distribuída em nada foi alterada”, finalizou a empresa, em nota oficial.

 

Imagens






14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina