Moradores de Balneário Piçarras reclamam de excesso de lixo nos rios

09 Outubro 2018 09:35:21

“Cada dia o lixo aumenta na cabeceira da ponte e nas áreas alagadas da redondeza”

FELIPE BIEGING, JORNALISTA
site20180928_070047.jpg
"Senão não adiantara ter Bandeira Azul na praia”

Moradores do bairro Nossa Senhora da Paz, de Balneário Piçarras, denunciam o acumulo de lixo as margens dos rios Piçarras e Furados.  “Cada dia o lixo aumenta na cabeceira da ponte e nas áreas alagadas da redondeza”, relatam. Na visão deles, é necessário que o poder público inicie algum trabalho de conscientização social.

“O fato é que as autoridades precisam fazer algo para retirar o lixo. Assim como uma conscientização da comunidade em não jogar lixo. Senão não adiantara ter Bandeira Azul na praia”, reclamam os moradores, em e-mail enviado à redação.

A Fundação do Meio Ambiente de Balneário Piçarras (Fundema) afirmou que fez uma vistoria no local na tarde do dia 3 e que conversou com os moradores da região, constatando o local como um ponto viciado de resíduos. Foram encontrados no local a presença de resíduo domiciliar, de construção civil e eletroeletrônicos, tendo ainda resíduos classificados como perigosos e altamente tóxicos ao meio ambiente

“A destinação incorreta desses resíduos, principalmente dessa maneira, diretamente no meio ambiente, afeta diretamente a saúde pública, contamina o solo, a água e o ar, além dos danos à fauna marinha e a balneabilidade, uma vez que o resíduo se desloca pelo rio e chega ao mar”, disse o presidente da Fundema, Marcos Zaleski.

O ato se caracteriza como um crime ambiental, estabelecido pela Lei 9.605/1998, com multa de R$ 5 mil à R$ 50 milhões e reclusão de um a cinco anos. Os resíduos foram retirados do local pelo poder público, que efetua periodicamente campanhas e atos em prol da conscientização à limpeza do Rio Piçarras.

CONSCIENTIZAR

“A conscientização da população é o primeiro passo para conseguirmos obter um município ambientalmente desenvolvimento. Não podemos mais observar como comum a utilização de espaços verdes, não urbanizados, ou aqueles mais escondidos para praticar atos ilícitos em prol de seus interesses individuais”, completou o presidente.

Marcos ainda pede que a população fique de olho e denuncie. “A comunidade precisa ser nossa parceira na fiscalização contra esse tipo de ato. Queremos estreitar o relacionamento entre a Fundação do Meio Ambiente e a sociedade, identificando os problemas e planejando juntos a solução”, finalizou. As denúncias podem ser feitas por telefone no (47) 3345-1180 ou e-mail no meioambiente@picarras.sc.gov.br.

Imagens






14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina