Moradora de Penha é presa por furto de energia elétrica

“Após violação dos lacres, os fios internos estavam cortados, o que impedia o registro real do consumo e segundo os técnicos, trata-se de uma fraude bem elaborada e de difícil constatação, diferindo das que são comumente encontradas”, afirma a Civil

59753087_2158982230804601_4587907494633799680_n.jpg
Foto: Polícia Civil
“Esta prática criminosa traz danos e prejuízos para toda sociedade"

A Polícia Civil do Estado, através da Divisão de Furtos e Roubos de Cargas, prendeu nesta quarta-feira, 8, em Penha, uma mulher por furto de energia elétrica mediante adulteração do medidor. A proprietária da residência, identificada como M. A. M, foi autuada e presa em flagrante. Os investigadores apontam que o ato pode ter lesado a Celesc em cerca de R$ 30 mil.

Segundo a investigação, “havia incompatibilidade entre o padrão do imóvel - quer nas dimensões - quanto na quantidade de equipamentos eletroeletrônicos instalados na residência, inclusive piscina e o consumo de energia elétrica”.  Os policiais apuraram que em 2015 o valor médio da fatura era superior a R$ 800 e em janeiro de 2016 passou a ser de R$ 80.

O setor de fraudes da Celesc participou da ação. Diante dos fortes indícios de fraude, os técnicos foram ao local e após longa vistoria identificaram que relógio medidor de energia estava adulterado. “Após violação dos lacres, os fios internos estavam cortados, o que impedia o registro real do consumo e segundo os técnicos, trata-se de uma fraude bem elaborada e de difícil constatação, diferindo das que são comumente encontradas”, narrou a Polícia.

O Delegado Polícia Osnei Valdir de Oliveira destaca que o valor foi aferido diante da análise do consumo antes da realização da fraude e o valor efetivamente pago após a adulteração do medidor de energia elétrica - sem atualização monetária. “Esta prática criminosa traz danos e prejuízos para toda sociedade, já que o valor da energia subtraída é transferido para os demais consumidores que pagam suas faturas em dia, ocorrendo à socialização dos prejuízos”, definiu.

A Polícia Civil de Santa Catarina e a Celesc estão intensificando as ações no combate de furto de energia elétrica. Denúncias anônimas podem ser feitas pelo telefone 0800 48 0196 da CELESC ou pelo disque-denúncia 181 e pelo aplicativo WhatsApp (48) 98844-0011 da POLÍCIA CIVIL.

 

 

Imagens






14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina e Jornal do Comércio