Pacientes reclamam dos atendimentos no Pronto Atendimento 24h de Penha

06 Maio 2019 08:51:54

A demora no atendimento e a falta de humanização em todas as fases do processo acolhimento são as principais reclamações dos pacientes ao principal centro médico da cidade, hoje terceirizado

FELIPE BIEGING, JORNALISTA
Pronto Atendimento Penha (4).JPG
Foto: Felipe Bieging | JC
“Pelo amor de Deus não deixem que o nosso Pronto Atendimento vire mais um na estatística onde o descaso possa tirar vidas”

O Pronto Atendimento 24h de Penha vem sendo alvo de constantes críticas por parte de pacientes. A demora no atendimento e a falta de humanização em todas as fases do processo de acolhimento são as principais reclamações dos pacientes ao principal centro médico da cidade – que em janeiro deste ano foi terceirizado pela Prefeitura por meio de uma licitação com valores finais na casa dos R$ 4,5 milhões. O Governo afirmou que estuda romper o contrato.

A situação ganhou contornos midiáticos quando o vereador Maurício Brockveld (PROS) realizou uma fiscalização no atendimento da unidade, no último dia 27. Segundo o parlamentar, ele entrou no P.A 24h sem se identificar e permaneceu sentado por três horas, sem nenhum questionamento profissional. “Fiquei sentando por quase três horas na sala de espera, sem me identificar como vereador, e nenhum funcionário veio me atender”, afirmou.

Ele compartilhou sua experiência, incitada por decorrência dos reclames sociais, em sua página pessoal do Facebook. O feedback da publicação rendeu uma série de outras opiniões contrárias ao atual serviço prestado no P.A 24h – apesar de também surgirem elogios. “Pelo amor de Deus não deixem que o nosso Pronto Atendimento vire mais um na estatística onde o descaso possa tirar vidas”, comentou na postagem, Carmem Sinhori, citando ter aguardado pelo atendimento por cerca de duas horas.

A forma de atendimento também é questionada pelos pacientes. “Minha filha, que nem 1 ano tinha, levei no P.A com febres altíssimas e a médica nem tocou nela, mandou voltar pra cada e fazer inalação e compressa. Como ela piorou levei no Dona Helena em Joinville. Ela estava com meningite viral, ficamos 3 dias internadas”, desabafou Mireli Schell, que participou da discussão na postagem do parlamentar.

Atualmente, o P.A24h é administrado pelo Instituto de Saúde Santa Clara – contratado pela Prefeitura através de uma licitação de doze meses ao valor R$ 4.505.474,52 (R$ 375.456,21 por mês). A contratação teve como motivadores a intenção inicial de elevar a qualidade dos serviços prestados à população. Na quinta-feira, 2, o prefeito Aquiles José Schneider da Costa (MDB) se reuniu com os responsáveis pelo Instituto e fez uma série de cobranças.

De acordo com o secretário de Governo, Eduardo Bueno, o prefeito exigiu que mudanças fossem realizadas de forma imediata. Elas remetem à troca de profissionais e cursos de capacitação. “Na semana que vem todos os funcionários passarão por um curso de humanização e acolhimento”, antecipou Bueno. “Também a substituição de profissionais que não estejam realizando um bom atendimento”, completou. As melhorias exigidas são condicionantes impostas pelo Governo para que o contrato seja mantido.






14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina e Jornal do Comércio