Penha inicia aplicação de inseticida para tentar conter o Aedes Aegypti

A pulverização também será feita em focos positivos ou em áreas consideradas infestadas. Nossa Senhora de Fátima, Armação e Gravatá são as regiões com o maior percentual, segundo o programa de combate

FELIPE BIEGING, JORNALISTA
mosquito-dengue-2-1024x535.jpg
O equipamento foi comprado por R$ 4.330

Enquadrada pelo Estado como cidade infestada pelo mosquito Aedes Aegypti e com uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público da Comarca – em que exige do município maior rigor em ações de combate ao mosquito – a Secretaria de Saúde de Penha anunciou a aquisição e utilização imediata de um pulverizador estratégico para aplicação do inseticida “Bendiocarb”.

Segundo o coordenador do Programa de Combate à Dengue, Alexandre Deolindo, “a aplicação do produto e uso do pulverizador são restritos a áreas específicas, e efetuados quinzenalmente nos chamados pontos estratégicos, como borracharias, cemitérios, materiais de construção e revendas de ferro-velho”, no intuito de conter o surgimento do mosquito i - transmissor da dengue, febre de chikungunya e zika vírus.

A pulverização também será feita em focos positivos ou em áreas consideradas infestadas. Nossa Senhora de Fátima, Armação e Gravatá são as regiões com o maior percentual entre 161 focos encontrados este ano. “Estão completamente infestados. Precisamos contar com a sensibilização da comunidade. Sozinho, o poder público não irá controlar a situação”, afirmou. Quando é constatado o foco ou área infestada, é feita a pulverização.

O equipamento foi comprado por R$ 4.330 e será utilizado com um inseticida “forte e requer amplo cuidado na hora de aplicações. Usado para o controle da dengue, vem em pó, e é diluído na água, com doses já pré-definidas e uso de espátula específica para esse fim, além de máscara, avental e demais vestuários próprios. Os servidores que utilizam o produto na rotina de trabalho são submetidos a um monitoramento regular estabelecido num Manual de Procedimentos de Segurança”, informou a Prefeitura.

MP ESTADUAL FEZ RECOMENDAÇÃO

Além da ação civil pública ajuizada no mês passado pelo promotor da Comarca, Luis Felipe de Oliveira Czesnat, em maio deste ano o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) expediu recomendação aos 85 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes Aegypti - transmissor da dengue, febre de chikungunya e zika vírus - para a tomada de medidas para conter a proliferação do vetor transmissor da dengue e de outras doenças.

A recomendação foi assinada pelos Promotores de Justiça Luciano Trierweiller Naschenweng, titular da 33ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital - com atuação estadual na área da saúde - e pelo Promotor de Justiça Douglas Roberto Martins, Coordenador do Centro de Apoio Operacional da Cidadania e Direitos Humanos do MPSC.

De acordo com Naschenweng, a recomendação foi expedida no dia 15 de maio aos prefeitos dos 85 municípios após reunião com a Vigilância Sanitária Estadual, na qual a Diretora do órgão, Lucélia Kryckyj, relatou que, apesar das diligências realizadas, os esforços empreendidos até o momento não estão sendo suficientes para conter o avanço do mosquito.

CIDADE INFESTADA

Penha foi incluída na relação de cidades infestadas pelo Aedes Aegypti em abril do ano passado. Essa classificação se deu em virtude de os agentes endêmicos também terem localizado, com frequência, focos do mosquito em residências situadas em um raio de 300 metros de armadilhas com larvas do Aedes. Desde então, não conseguiu mais controlar a situação.





14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina e Jornal do Comércio