O TEMPO SITE 10 09 2017 EXATO.jpg

A ADMINISTRAÇÃO E O SURGIMENTO DA GESTÃO DE PESSOAS V I I I

Artigo ADELCIO.jpg
Adelcio Machado

Uma organização, na prática, aprende quando os próprios empregados absorvem lições dessa experiência, quando o novo conhecimento se incorpora a normas, estratégias e hipóteses de trabalho para perdurarem.

Ademais disso, também ocorre a aprendizagem quando há o questionamento das normas, o que, freqüentemente, implica conflito, seja entre exigências consagradas ou entre diferentes gerentes e departamentos, e pode resultar em significativas mudanças na imagem que as pessoas têm do negócio (MEIRELES; PAIXÃO, 2003).

A partir da era da informação, as pessoas, juntamente com seus conhecimentos e habilidades, passaram a ser vistas como a principal base da nova organização. Assim, a antiga Administração de Recursos Humanos cedeu lugar a uma nova abordagem: a Gestão de Pessoas.

 Com isso, as pessoas deixaram de ser simples recursos organizacionais para serem abordados como seres dotados de inteligência, conhecimentos, habilidades, personalidade, aspirações, percepções, etc.

Em relação ao surgimento da Gestão de Pessoas, Gil (2001) acrescenta que aliadas a novas concepções sobre o papel dos indivíduos nas organizações, determinaram, mormente a partir da década de 90, profundos questionamentos ao modo como vinha sendo desenvolvida a Administração de Recursos Humanos nas empresas. Dentre as várias críticas, uma delas se referia à terminologia empregada para designá-la.

As pessoas, a partir do momento em que são tratadas como recursos, precisam ser administradas, para delas se obter o máximo rendimento possível.

Por conseguinte, tendem a ser consideradas parte do patrimônio da organização e, como tais, deveriam passar a ser reconhecidas como parceiros da organização, dotados de uma série de características que podem ser utilizadas em favor do alcance dos objetivos organizacionais e individuais.

Pode-se resumir a abordagem dada aos recursos humanos dentro das três eras da seguinte forma, segundo Gil (1994):

  • Industrialização clássica: pessoas como fatores de produção inertes e estáticos sujeitos a regras e a regulamentos rígidos para serem controlados;
  • Industrialização neoclássica: pessoas como recursos organizacionais que precisam ser administrados;
  • Era da informação: pessoas como seres humanos proativos dotados de inteligência e habilidades e que devem ser impulsionados.

Jor. Adelcio Machado dos Santos (MT/SC nº 4155 - JP)

Diretor da Associação Catarinense de Imprensa (ACI)

 

Imagens




Menu

Contatos