ELEIÇÕES 2016

Gestão é fundamental

14 Agosto 2016 20:10:08

Coluna Semanal Política em Rede dos Jornais Ótimo e Diário do Planalto

Paulo R Ferreira
PG 05 - POLITICA EM REDE.jpg
Foto: Diretório PMDB
Beto Faria e Wilson Pereira e suas respectivas esposas.

Muita gente ficou surpresa ao ver o PMDB de Canoinhas anunciar 11 partidos na coligação que apoia a candidatura de Beto Faria e Wilson Pereira, numa reedição da dobradinha que os tornou vitoriosos em 2012. Os candidatos irão tentar a reeleição num panorama muito semelhante ao do último pleito, porém, terão uma campanha diferente, afinal, a recondução dos políticos ao executivo municipal é a confirmação que o modelo de gestão aplicado pelo PMDB, apesar de suas falhas, funciona. E olha que esse é um elemento essencial para análise na disputa de 2016. Muito longe da boa maré que Leoberto Weinert, ex-prefeito da cidade, teve ao longo de seu mandato (estabilidade econômica, crescimento real do PIB, repasses bondosos do governo federal aos municípios e até certo otimismo do cidadão), Faria e Pereira assumiram uma bomba relógio. Amarguraram governar o município em uma situação caótica do ponto de vista econômico. Encararam inflação alta e o PIB Brasil ainda negativo e isso desestabiliza toda a cadeia de produtores, fornecedores além de reduzir drasticamente a arrecadação de impostos o que impacta diretamente os cofres dos municípios. Some a isso uma das maiores enchentes que a cidade já teve registro, ficando atrás somente de 83 e 92. Coloque na conta também, uma longa temporada de chuvas que destruiu as estradas de chão. Piora! O Governo Central quebrou, ficou no negativo e começou a atrasar ainda mais os repasses ao município. Ainda tem o aumento da pobreza, os surtos de gripe, o pessimismo do cidadão e uma condição geopolítica: Canoinhas está em uma das regiões (Planalto Norte) mais vulneráveis do Estado de Santa Catarina. Os candidatos, enquanto governantes foram guerreiros, não há dúvidas. Mantiveram as contas em dia, os salários pagos, os investimentos acontecendo e de quebra, quando o Governo do Estado não pôde ajudar o Hospital Santa Cruz, num lindo ato de colaboração entre Câmara e Prefeitura, estava lá, o cofre do município para SOCORRER quem socorre o cidadão. Faria e Pereira fizeram um trabalho tão grandioso que apesar de toda a catástrofe nas contas nacionais e estaduais, ainda tiveram recursos para realizar as obras ditas “eleitoreiras” na véspera de eleição. Não é fácil, haja recurso. Agora esta habilidade de cuidar das contas públicas municipais vai ser posta na balança. O Canoinhense vai decidir se mantém o rumo ou se pagará o preço de conhecer um novo jeito de administrar.

Discurso da Oposição

Beto Passos e Pike, por suas vezes, têm abordado temas recorrentes em suas caminhadas. A principal aposta argumentativa dos dois é a Renovação. Ambos acreditam que o PMDB está desgastado e que a alternância de poder poderia beneficiar a cidade. Apontam para erros estruturais do município. Atacam a lentidão em alguns serviços, insistem na tecla da geração de empregos e tentam vislumbrar um futuro mais promissor para a cidade. Se Passos tem pouca experiência de gestão e boa interlocução na política, Renato Pike, que é relativamente novo no meio, pode contribuir nas contas, afinal, gerencia uma revenda de automóveis na cidade.

PT

Muita gente que é simpatizante de Passos tem atacado a aliança do PT com o PMDB em Canoinhas. Causa estranheza. Foi passos que abandonou o partido após perder duas eleições com os “trabalhadores”, 2012 e 2014, prefeito e deputado respectivamente. O partido também tem o direito de fazer suas escolhas.

PSD/PR

Há uma frase rolando pela cidade quanto as proporcionais para vereador: “vai falta índio pra tanto cacique”, claramente ironizando a quantidade de vereadores apoiadores na coligação.

Será que ainda dá tempo?

Tem muita gente achando que fez a escolha errada em Canoinhas. Alguns dizem que seus partidos se precipitaram e deixaram a emoção do momento falar mais forte na hora de se definir para um lado.

 

Pra encerrar

O PMDB de Santa Catarina só não participara de 18 eleições majoritárias nesta eleição. Os peemedebistas terão candidatos a prefeito e vice em 277 cidades, conforme levantamento preliminar do diretório estadual, divulgado na terça-feira (10). São 212 candidatos a prefeitos e 146 vices, sendo 81 em chapa pura. A sigla se faz presente em 94% das cidades e em 100% com vereadores. A organização, o planejamento e o preparo dos candidatos permitiram que o PMDB chega-se forte para a eleição deste ano”, destaca o presidente estadual do partido, deputado Mauro Mariani.

Semana que vem tem o cenário de Três Barras. Até lá, forte abraço.


lllll.jpg

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina