Chegada do calor preocupa equipe de combate à dengue de Balneário Piçarras

Altíssimo número de focos positivos encontrados este ano preocupa a equipe de Balneário Piçarras, que teme por um aumento exponencial diante do calor e chuvas torrenciais, típicas deste período

FELIPE FRANCO, JORNALISTA
capaaedes-aegypti-o-mosquito-transmissor-da-dengue-1200x675.jpg
“Nossa preocupação é muito grande

A temporada de calor bateu à porta piçarrense com um total de 850 focos positivos do mosquito Aedes aegypti, transmissor Dengue, Chikungunya e o Zika Virus. O dado é alusivo aos dez primeiros meses deste ano, elevando o grau de preocupação do Programa de Controle e Combate à Dengue de Balneário Piçarras para um aumento no número de doentes. Até agora, 32 pessoas já tiveram a doença.

“Nossa preocupação é muito grande. Toda a região está infestada e, mesmo após o período de frio, nossa cidade manteve uma crescente nos focos larvários do Aedes. Agora, com o calor e chuvas de verão, a situação tende a ficar ainda mais crítica”, alerta o coordenador local do Programa, André Ladewig, pedindo o apoio da população nas medidas preventivas já amplamente divulgadas. André estará, dia 3, na Câmara de Vereadores para falar do cenário.

Dos 32 casos da doença confirmados em Balneário Piçarras, 20 pacientes contraíram a doença na cidade. Esses casos são os mais preocupantes, já que demostram a real presença do mosquito contaminado no município e criam a possibilidade de rápida contaminação.

O diretor da Vigilância Epidemiológica do Estado, João Augusto Brancher Fuck, reforça que a melhor estratégia de prevenção das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti continua sendo a eliminação de locais que possam acumular água. “É preciso ação conjunta. Do poder público e da população. O cenário do estado reforça que as medidas de prevenção são necessárias e fundamentais para evitar novos casos e até óbitos”, destaca.

Em Balneário Piçarras, a equipe de agentes endêmicos busca controlar esse possível avanço com a aplicação de inseticida nos bairros considerados mais críticos: Nossa Senhora da Paz, Itacolomi e Centro. “O mosquito está presente em Santa Catarina. Então, é preciso estar atento às condições do município e aos sinais do paciente para suspeitar da doença e realizar o manejo clínico correto”, salienta João Augusto. Os sintomas da dengue são: febre, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, dor atrás dos olhos e manchas vermelhas na pele. Podem ocorrer também náuseas e vômitos.

Em 12 de dezembro de 2019, Balneário Piçarras foi classificada pela DIVE/SC como município infestado pelo mosquito Aedes Aegypti. Essa classificação se deu em virtude de os agentes endêmicos também terem localizado, com frequência, focos do mosquito em residências situadas em um raio de 300 metros de armadilhas com larvas do Aedes. Desde então, Balneário Piçarras não conseguiu mais controlar a situação.

Em Balneário Piçarras há 229 armadilhas do programa, das quais são 86 pontos estratégicos. André ressalta o rápido de desenvolvimento, do mosquito: apenas uma semana. “A fêmea bota os ovos em uma superfície na sombra, próximo da água, que com o calor desenvolve a larva. No quinto dia, a larva chega na fase da pupa e no sétimo dia o mosquito pode contaminar”, afirma, destacando que os ovos podem permanecer vivos por até um ano.








14322344777940.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina e Jornal do Comércio